A indústria cultural, nada mais é do que a reprodução em massa das obras de arte.

Podemos dizer, que com a indústria cultural a obra de arte perdeu o seu valor. A obra de arte que antes era um objeto único agora já circula entre as grandes massas. Mas por isso perdeu o seu valor?

Quando falamos “perdeu o seu valor” não queremos nos referir ao valor financeiro, mas sim ao valor de culto.

A obra de arte antes de ela ser reproduzida ela é única e por isso ela passa a ser cultuada. A partir do momento que é reproduzida em larga escala ela passa a circular pela massa, perdendo assim sua real autenticidade e seu valor de culto.

Aí vocês devem estar se perguntando. O que tudo isso tem a ver com a propaganda?

Tem a ver sim!

A propaganda é uma arte e como todas as outras artes, precisa de talento, criatividade, imaginação, dedicação em tempo integral. Só não é uma grande arte porque não dispõe da capacidade de instaurar novos valores estéticos.

Tem como objetivo vender produtos e por isso precisa seguir o que está em voga, observar o comportamento dos consumidores e só então elaborar suas peças, destinadas a influenciar seu grupo alvo e predispor as pessoas à compra das mercadorias que anuncia.

 Se fosse uma grande arte, seus valores e princípios estéticos pertenceriam a seu próprio universo e nele se bastariam. O que faz uma grande arte é a militância do artista na arte pela arte.

Foi em pleno avanço da Indústria Cultural que a J.W.T. chega à América Latina para atender as contas da General Motors.

E voltando a falar da arte propriamente dita é bem provavel que a publicidade realmente permaneça como a arte do século XX. A propaganda de massa, que hoje se da graças a Industria Cultural e a Revolução Industrial, é exposta nos veículos de comunicação e no ar livre das ruas mostra a tendência de perder importância enquanto crescem as técnicas da comunicação endereçada diretamente ao indivíduo graças aos veículos digitais (internet). Essa deve ser a grande conquista da propaganda do século atual.

Enquanto antes, nossos publicitários eram os próprios artistas da época que anunciavam suas obras para então poder vender. Mas aonde anunciavam? Não existiam meios de comunicação em massa como os atuais, a maioria das vezes eles vendiam seus produtos boca a boca. Mais tarde com o surgimento dos jornais, conseguiu se fazer uma propaganda mais “bem feita” digamos. A revista veio mais tarde e depois o grande fenômeno da publicidade mundial. O rádio! A J.W.T.  foi a pioneira na utilização desse fonômeno da comunicação e mais tarde com a chegada da T.V. também foi a primeira a fazer um comercial para esse novo meio.

A propaganda está cada vez atingindo um maior número de pessoas e fazendo propagandas cada vez mais bem elaboradas graças ao avanço das tecnologias.

Bom, que esse avanço se deu graças a Revolução Industrial e a Indústria Cultural já não é mais segredo

Mas até aonde iremos avançar? Qual será o futuro de nossa arte?

Temos que viver pra saber.