As compras governamentais crescem a cada dia e, por isso, despertam cada vez mais o interesse de empresas de diversos segmentos em participar dos certames licitatórios Brasil afora.

Que o governo consome uma quantidade grandiosa de bens, produtos e serviços não há dúvidas. A questão é: como vender par ao governo, seja ele federal, estadual ou municipal?

Para dar conta da prestação pública administrativa dos gastos, todos os departamentos do governo são obrigado a utilizare-se de editais de licitação para poder negociar com fornecedores privados.

De forma mais simples, podemos dizer que para que um ente público possa adquirir bens ou contratar serviços deve seguir, obrigatoriamente e de forma vinculada, todas as regras contidas na legislação e o no instrumento convocatório, utlizando, para tal, um processo administrativo que elegerá uma das modalidades de licitação previstas em lei, quais sejam, convite, tomada de preços, concorrência ou pregão.

Qualquer empresa pode vender para o governo?

Sim. Mas o grande problema está na falta de conhecimento técnico administrativo para enfrentar toda burocracia necessária. Diante deste fato, muitas vezes torna-se necessário uma boa assessoria licitatória para que a atuação da empresa vendedora se dê de forma eficiente.

Para vender pro governo você só precisa ter preço competitivo e toda documentação (que não é pouca) necessária em mãos. Alguns são mais complexos que outros.

É possível encontrar empresas especializadas em assessoria na Internet. Os serviços de atendimento a licitantes é oferecido e resolvido, em alguns casos, em até 24 horas após solicitação do serviço.